Dia Internacional da Sndrome de Down

Publicado em

topo_blog

A data de 21 de maro entrou oficialmente no calendrio da ONU (Organizao das Naes Unidas) em 2012 como o Dia Internacional da Sndrome de Down com o com o objetivo de dar visibilidade aos seus direitos.
As Campanhas so diversas em todo o mundo.
A Oficina da Linguagem, envolvida na criao e desenvolvimento de recursos tecnolgicos e de acessibilidade a todas as pessoas com algum tipo de deficincia, no pode deixar de fazer aluso esta data.

E, especialmente para esse assunto, a fonoaudiloga Maria Rita Volpe, diretora da oficina da Linguagem, esclarece:

1- O que Sndrome de Down?
A Sndrome de Down uma condio gentica que segundo estimativas do IBGE, afeta pelo menos trezentas mil pessoas no Brasil.
uma condio cromossmica causada por um cromossomo extra no par 21, que ocorre na hora da concepo da criana. Pessoas com essa sndrome possuem 47 cromossomos, ao invs de 46 como naturalmente ocorre em outras pessoas.

2- E o que essa alterao acarreta?
importante esclarecer que a SD no uma doena. As pessoas com SD apresentem caractersticas fsicas semelhantes entre si, como: olhos amendoados, linha das mos reta, braos e pernas mais curtos, algum grau de deficincia intelectual e dficits para aprendizado, ou um tempo mais lento para aprender. Apresentam ainda uma hipotonia muscular e frouxido ligamentar. Entretanto, apresentam personalidades e caractersticas individuais.

3- Como o desenvolvimento da criana do SD?
Podemos observar que as crianas com SD apresentam um atraso no desenvolvimento neuropsicomotor, bem como no desenvolvimento da fala e linguagem, ou seja, o desenvolvimento do controle motor de cabea e tronco bem como a mobilidade como a marcha aparecem mais tardiamente, entretanto essa diferena no permanece constante ao longo do desenvolvimento. Quanto fala, alm de tardia pode aparecer com alteraes decorrentes da hipotonia muscular que quando acentuada, ocasiona uma menor movimentao dos rgos fonoarticulatrios, refletindo em imprecises articulatrias, substituies ou distores de sons. Outras alteraes so encontradas, decorrentes como reflexos do desenvolvimento cognitivo e lingustico.

4- A criana com SD apresenta problemas com alimentao?
A hipotonia da musculatura da face e da boca tambm pode prejudicar a amamentao do beb com SD, podendo trazer dificuldades para sugar e deglutir (engolir). Por isso, desde bebs, devem ser estimuladas, pois o sistema nervoso central est em formao. importante ter orientaes no prprio hospital, ao nascimento. Nesta fase, as orientaes so basicamente em relao alimentao, que podero proporcionar um desenvolvimento favorvel das estruturas da face.

5- E quanto s questes de aprendizagem escolar, como isso se processa na criana com SD?
Os alunos com sndrome de Down, assim como quaisquer outros estudantes, tm possibilidades para aprender, desde que recebam estimulao e interveno com acessibilidade que favoream a sua aprendizagem. Apresentam seu ritmo prprio e, portanto necessitam que essa condio seja respeitada. importante ter ateno tambm, aos problemas de viso que a criana com SD pode apresentar e que so frequentes, uma vez que podero interferir no seu desempenho escolar. Fonoaudilogos que atuam na rea Educacional, psicopedagogos e Terapeutas Ocupacionais, certamente iro auxiliar nesse processo.

Saiba mais sobre esse produto acessando:http://www.oficinadalinguagem.com/shop/fonema_grafema/

6- Qual a importncia do atendimento fonoaudiolgico junto s pessoas com SD?
Como vimos, fundamental o profissional da Fonoaudiologia intervir junto criana com SD desde o seu nascimento, at que atinja o seu melhor desempenho possvel: comunicativo, cognitivo, aprendizagens acadmicas e social.
A regularidade e o enfoque do trabalho fonoaudiolgico realizado ir depender das necessidades de cada um nas diferentes fases da vida, com intervenes diferentes para cada momento.
Garantir uma condio para que a pessoa com SD possa interagir e conquistar seu espao na sociedade a nossa meta final.

Para informaes constantes sobre a atuao Fonoaudiolgica na regio do estado do MS, nas diversas reas de atuao, colocamos disposio o site da AFAMS: afams.org.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *